Dois elevado ao quadrado! Nove.

A contribuição de Sigmund Freud em todo o pensamento humano, strictu sensu é indiscutível. Independentemente do que estejamos estudando – filosofia, psicologia, psiquiatria – citaremos conclusões, teorias ou empirismos dele. Sua metodologia, segundo ele próprio, se transformou ao longo de seu processo analítico e auto-analítico. Ao pensar em uma perspectiva do consciente dinâmico, há uma atitude descritiva e outra subjetiva em relação ao outro e esse outro é um objeto qualquer.


Freud é dualista, então? Com uma postura concreta, fundamentada, com lisuras de método, Jaspers concluiu que o comportamento é monista. Ou seja, só pode existir uma forma de pensar os fenômenos psíquicos. Como eles de fato são. Como ele de fato se apresenta. E assim já é observacional, descritivo, monista, substancialista, pragmático.

Freud se equivocou feio então? Os fatos podem ser observados com lentes de nuance? De subjetividade?